terça-feira, 7 de maio de 2013

DUPLICAÇÃO DA SERRA DE PETRÓPOLIS COMEÇARÁ DENTRO DE 30 DIAS

As obras da nova subida da Serra de Petrópolis começarão dentro de 30 dias. Na edição de ontem do jornal O Globo, o presidente da Concer – concessionária que administra o trecho entre Rio e Juiz de Fora da BR-040 –, Pedro Jonsson, garantiu o início das obras, previstos no contrato de concessão de 1996. Deverá haver um ato político para o começo dos trabalhos na rodovia, com a possibilidade da presença da Dilma Rousseff ou do ministro dos Transportes, César Borges.

No entanto, ainda não há definição sobre o polêmico túnel de cinco quilômetros entre o Belvedere e Petrópolis. A autorização da Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT) e as licenças ambientais obtidas pela Concer são apenas para o trecho entre o Rio de Janeiro e o Belvedere.

Apesar de vários adiamentos do início das obras desde que o projeto de duplicação foi apresentado pela concessionária em 2010, o vice-presidente da Comissão de Transportes da Câmara, deputado federal Hugo Leal (PSC), afirmou que, desta vez, a duplicação sairá do papel. Segundo ele, essa demora é um assunto que tem irritado a presidente Dilma.

No mês passado, chegou a ser noticiado que Dilma anunciaria, em evento no Rio, a autorização federal para o início das obras em três rodovias do estado consideradas como os grandes gargalos para o desenvolvimento da região, o que não aconteceu. Membros do governo federal entenderam que seria melhor um anúncio para cada obra, e o da BR-101, na duplicação do trecho entre Rio Bonito e Casemiro de Abreu, já aconteceu. O próximo anúncio será o da BR-040. Em seguida será o da Via Dutra.

O deputado Hugo Leal faz questão de destacar que, num primeiro momento, não haverá recursos públicos na Rio-Petrópolis. A Concer é quem pagará pela duplicação. Se, em 2021, quando terminar a concessão, for constatado um desequilíbrio financeiro no contrato da concessionária, a União ressarcirá a empresa.

Pelo contrato de concessão, ficou estipulado que a empresa faria a duplicação da serra, a um custo de R$ 80 milhões. Este valor, corrigido pela inflação, chega a menos de R$ 300. A Concer já declarou que o projeto inicial, passados 17 anos, está defasado, sendo necessárias as mudanças incorporadas no projeto de 2010. Entretanto, essa nova proposta custaria cerca de R$ 900 milhões. Durante os últimos três anos, a discussão foi sobre quem financiará a diferença de quase R$ 600 milhões.

Para completar o valor, a Concer pedia a prorrogação do contrato de concessão ou o aumento do valor do pedágio – hoje em R$ 8 em cada uma das três praças de pedágio nos 180,4 quilômetros concedidos. Agora, com a decisão de a Concer pagar a princípio pela obra, para ser ressarcida daqui a oito anos, não há, ao que tudo indica, mais empecilhos para o início da duplicação da serra.

Até o fechamento desta edição, a Concer e a ANTT não responderam as perguntas do Diário de Petrópolis sobre os detalhes do projeto da nova subida da Serra de Petrópolis.

Fonte: Diário de Petrópolis

Nenhum comentário:

Postar um comentário